Notícias

Com novo governo, fundos miram novos investimentos no país

27 jul , 2016

Os setores de infraestrutura, agronegócios, saúde e educação estão na mira dos recursos estrangeiros trazidos ao país por meio de fundos de “private equity” (que compram participação em empresas), segundo advogados e gestores da área.

Nas últimas semanas, voltaram a surgir rumores de transações. Também se viram acordos ligados ao agronegócio, como a participação que a Warburg Pincus levou da Camil. Mas a estimativa é que após a confirmação do interino Michel Temer na Presidência, em agosto, uma nova onda virá.

Rogério Gollo, sócio da PwC, diz que já viu um primeiro impulso quando a chance de afastamento de Dilma Rousseff ficou mais evidente. O registro da PwC mostra cinco transações com “private equity” em abril. O patamar subiu para 12 em maio e se repetiu em junho.

“Nota-se pelo telefone, que está tocando de novo. O investidor pensa que, se esse governo fizer as reformas que está prometendo, o mercado para ele vender depois, como fazem os “private equities”, vai estar bem melhor”, diz Renato Soriano, sócio da Rosenberg Partners. O novo governo promete privilegiar as concessões de infraestrutura.

“Um estudo que fizemos em julho mostrou que 88% dos estrangeiros pretendem elevar a alocação de recurso em “private equity” nos próximos três anos”, diz Francisco Sanchez Neto, da Abvcap (associação do setor).

Os fundos fecharam 2015 com R$ 153,2 bilhões de capital comprometido, montante 20% superior a 2014.

Para José Diaz, sócio do Demarest Advogados, a forte instabilidade cambial que marcou os piores momentos da crise política dificultava a precificação dos ativos.

No setor de saúde, os negócios voltados para medicina diagnóstica e farmacêuticas já se aceleraram, segundo Maria Fernanda Prado, do escritório Mattos Filho. Em 2015, o governo liberou restrições à entrada de capital estrangeiro nos hospitais.

Mário Malta, sócio da Advent, afirma que, além de saúde e educação, negócios nas áreas de serviços financeiros e varejo também estão sendo estudados.

 

Fonte – Folha de São Paulo

Voltar

Publicidade