Monthly Archives:fevereiro 2019

Appa e Rumo vão aumentar capacidade de transporte por ferrovia até Paranaguá

6 fev , 2019

Appa e Rumo vão aumentar capacidade de transporte por ferrovia até Paranaguá

A Rumo e Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) planejam aumentar a capacidade de transporte de cargas por ferrovia até o porto paranaense. O uso de trens no porto cresceu 20% nos últimos quatro anos, de acordo com a Appa, e cerca de 10 milhões de toneladas de produtos entraram ou saíram do terminal por trilhos em 2018.

A Rumo possui um projeto de melhoria no traçado da Serra do Mar que permitirá o uso de locomotivas mais potentes e vagões maiores, de acordo com nota da Appa. Na descida para Paranaguá, a curva na saída da Ponte São João já está em obras e será menos acentuada. Além disso, as locomotivas serão substituídas por modelos mais modernos e com maior capacidade de tração na subida, conforme reportou a Rumo à Appa. “As locomotivas usadas hoje têm, em média, 35 anos. As novas conseguem carregar mais vagões, têm mais aderência, melhor frenagem e aceleração”, destacou na nota o diretor institucional da Rumo, Guilherme Penin.

No plano de expansão também está prevista a troca dos vagões que farão o transporte de grãos, com perspectiva de dobrar a capacidade por vagão e, assim, elevar o volume carregado por trem para até 8 mil toneladas. Atualmente, Paranaguá conta com 70 quilômetros de linhas férreas, dos quais 7,5 estão instalados no Corredor de Exportação do porto.

A capacidade de descarga férrea no terminal paranaense é de 32 milhões de toneladas por ano, o equivalente a 1.785 vagões por dia, diz a Appa. Hoje, um único vagão pode transportar 45 toneladas de produtos, ou seja, cinco toneladas a mais do que um caminhão. Para carregar um navio, são necessários 1,5 mil vagões; pelo modal rodoviário, transportar o mesmo volume de carga exigiria 1,8 mil caminhões, segundo o diretor de Operações da Appa, Luiz Teixeira Júnior.

Os principais produtos que chegam ao porto de Paranaguá por ferrovia são açúcar, milho, soja, farelos, óleos vegetais e fertilizantes, além de contêineres.

Fonte: Terra/Revista Ferroviária

Voltar

ANTT e ESALQ-Log realizam reuniões temáticas

3 fev , 2019

Nos dias 04, 05 e 06 de fevereiro, na sede do ESALQ-Log em Piracicaba/SP, acontece o ciclo de reuniões temáticas “Propostas para os Pisos Mínimos de Frete”. As reuniões têm como objetivo coletar opiniões, sugestões e apontamentos para o aprimoramento da regulação da Lei nº 13.703/2018, que estabelece a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas.

Será feita uma reunião específica com cada segmento envolvido nas diversas cadeias logísticas do Brasil: Embarcadores, Empresas/Cooperativas de Transportes e Transportadores Autônomos. A expectativa da organização é que representantes desses setores, vindos de todo o país, possam oferecer sugestões e apontamentos, de acordo com suas realidades e necessidades, propiciando uma melhor compreensão das diversas especificidades que envolvem a atividade de transporte rodoviário de cargas no Brasil.

As inscrições serão gratuitas até dia 1º de fevereiro pelo site https://esalqlog.esalq.usp.br/ciclo-de-reunioes-tematicas-propostas-para-os-pisos-minimos-do-frete

Os interessados em participar devem ficar atentos à programação e também a qual segmento de transporte de cargas será reunido em cada data:

Dia 04/02 – 9h – Embarcadores de Cargas

Dia 05/02 – 9h – Empresas/Cooperativas de Transportes

Dia 06/02 – 9h – Transportadores Autônomos

Local: Anfiteatro da sede ESALQ-Log (https://esalqlog.esalq.usp.br/localizacao)

Av. Pádua Dias, 11 (Antiga Colônia Sertãozinho), Piracicaba – SP

Fonte: ANTT

Voltar

ANUT realiza primeira reunião do Ciclo de Debates sobre Logística

1 fev , 2019

A ANUT com o apoio da CNI realizou no último dia 30/janeiro, em Brasília, a primeira reunião do Ciclo de Debates sobre Logística  com o tema “Desestatização das Companhias Docas”.

Read More…
Voltar

BR-163 será concedida entre Sinop (MT) e Miritituba (PA)

fev , 2019

Tradicionalmente conhecida pelos frequentes atoleiros em períodos de chuvas e as consequentes filas de caminhões que transportam grãos do Mato Grosso até os portos do Pará, a situação precária da BR-163 parece estar com os dias contados. A rodovia deve ser concedida no trecho que vai de Sinop (MT) a Miritituba (PA), entre 2019 e 2020. A informação foi anunciada pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, nesta quarta-feira (30), durante o lançamento da Operação Radar, estratégia do governo para o escoamento da safra 2018/2019. T

De acordo com o ministro, a concessão será realizada após a pavimentação de 51 km na região de Moraes de Almeida (PA), trecho restante para que a rodovia esteja totalmente pavimentada entre Sinop e Miritituba. Trata-se do ponto mais crítico dos atoleiros. As obras estão orçadas em R$ 2,55 bilhões e são de responsabilidade do Exército. O órgão promete concluí-las ainda este ano. Outro trecho de 58 km, acima de Miritituba, na região de Rurópolis (PA), também será pavimentado e tem previsão de obras concluídas em 2020. Entretanto, ficará fora do leilão.

Freitas explicou que a concessão deve durar somente pelo período das obras da Ferrogrão, ferrovia tida como estratégica pelo governo, e que também vai ligar Sinop e Miritituba. Como a pavimentação já estará concluída, a promessa é que os pedágios custem menos do que custariam caso as intervenções ainda tivessem que ser realizadas pela futura empresa administradora do contrato. Detalhes da concessão serão definidos na primeira reunião do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), prevista para fevereiro. A prioridade para o momento são os trechos não pavimentados. “Uma das grandes metas do ministério é a pavimentação da BR-163 para resolver os atoleiros”, explicou o ministro.

Operação RadarO Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) repassou R$ 4 milhões para a Operação Radar. Os recursos serão usados para a aquisição de material, apoio, logística e segurança. “Em caso de chuvas, temos máquinas de prontidão jogando material específico na rodovia para liberar o tráfego dos caminhões, além de equipamento para reboque de carretas. Também contamos com apoio de saúde, alimentação de emergência e comunicação aos usuários por meio de rádio e satélite”, informou Freitas.

A operação está organizada em três postos e conta com o reforço de 200 homens do Exército e de 60 militares da PRF (Polícia Rodoviária Federal) para garantir a segurança no transporte da safra. De acordo com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a produção estimada de grãos para 2018/2019 é de 237,3 milhões de toneladas, crescimento de 4,2% em relação à safra passada. Desse total, 118,8 milhões de toneladas equivalem somente à produção da soja.

 

Fonte: CNT

Voltar

Publicidade